Jeito Petista de Governar…

Transposição: rachaduras, remendos, mato, ritmo lento

Canais para levar água a vítimas da seca só ficarão prontos no final de 2015

Trechos que já estavam prontos apresentam rachaduras, remendos e mato antes mesmo da conclusão do projeto

Da Folha de S.Paulo – Daniel Carvalho 

A presidente Dilma Rousseff disse ontem em Fortaleza que a obra de transposição do São Francisco ‘está andando’. Na prática, contudo, o cenário é outro: rachaduras, remendos, mato e trabalhos em ritmo lento. Folha percorreu nesta semana os dois canais da obra — o leste e o norte. Encontrou placas de concreto rachadas sendo remendadas, em vez de substituídas por novas peças.A transposição ganhou recentemente contornos eleitorais. O presidenciável Aécio Neves (PSDB-MG) exibiu trechos abandonados no programa nacional do partido, o que levou Dilma a cobrar a aceleração das obras. Ontem, em Fortaleza, a presidente se referiu à obra mesmo sem ser questionada.‘Também a interligação do São Francisco [está andando] antes que você fale para mim que a interligação está parada’, afirmou a jornalistas.A conclusão prevista inicialmente para 2012, foi remarcada para dezembro de 2015. A construção dos 477 km de canais é a mais cara ação federal de combate aos efeitos da seca no Nordeste.

Agora são R$ 8,2 bilhões 

O orçamento total pulou de R$ 4,6 bilhões para R$ 8,2 bilhões desde o início dos trabalhos, em 2007, durante o segundo mandato de Lula.Em Floresta, no sertão pernambucano, uma imagem resume o cenário atual: num canal de concreto, vê-se a carcaça de um bode, animal resistente à caatinga, mas que não suportou a uma das piores secas dos últimos 60 anos.Quando prontos, os dois canais levarão parte da água do São Francisco a rios e açudes de quatro Estados (CE, PE, PB e RN). Para que a água chegue de fato aos sertanejos, são necessárias adutoras, instaladas pelos Estados.Em 2007, a obra só começou após o governo derrubar ações na Justiça que denunciavam impactos ambientais e negociar o fim da greve de fome de um bispo da Bahia.

Atrasos 

A imprecisão dos projetos básicos exigiu novas licitações, renegociação de contratos e interrupção do serviço pelas empreiteiras. Os únicos trechos prontos são dois lotes feitos pelo Exército.Quem toca a obra é o Ministério da Integração Nacional, até outubro comandado por Fernando Bezerra, indicado pelo provável candidato à Presidência e governador Eduardo Campos (PSB-PE).Em quatro canteiros, há trabalho 24 horas: Salgueiro e Cabrobó, em PE, Jati, no CE, e São José de Piranhas, na PB.Em geral, porém, o ritmo é lento nos locais onde a obra foi retomada. Operários ainda são contratados em cidades como Sertânia (PE).

“As elites, sempre elas”

 Por José Aníbal

Até agora, de tudo o que foi divulgado sobre os desagravos de setores do PT contra o desfecho do mensalão, ficou claro quem são os alvos preferenciais: o Supremo Tribunal Federal, na figura de seu presidente, ministro Joaquim Barbosa; a grande imprensa, principalmente jornais e tevês; e as “elites”.Em relação ao STF, o que dizer? As decisões da corte são colegiadas. A maioria dos ministros foi escolhida por Lula e Dilma, todos devidamente sabatinados e endossados pelo Senado. Sobre a mídia, as críticas se dividem: ora reclamam dos recortes tendenciosos, ora da cobertura ao vivo, que impede qualquer edição.
O que não se entende é a fixação do PT com essa entidade amorfa e onipresente, algo maquiavélica e certamente diabólica, a que chamam “elite”. Não há circunstância que não seja resultado das velhacarias da elite, que vive por conta de assombrar os meninos bonzinhos do governo popular.Se os banqueiros encheram as burras nos governos do PT, pouco importa: dessa elite eles gostam muito. Que romarias de empresários façam fila na porta do Instituto Lula ou que o ex-presidente tenha virado agente internacional dos capitalistas brasileiros, sem problemas. Essas são as elites boazinhas. As malvadas são as que não gostam do PT.

"As elites, sempre elas". Por José Aníbal

Até agora, de tudo o que foi divulgado sobre os desagravos de setores do PT contra o desfecho do mensalão, ficou claro quem são os alvos preferenciais: o Supremo Tribunal Federal, na figura de seu presidente, ministro Joaquim Barbosa; a grande imprensa, principalmente jornais e tevês; e as "elites".

Em relação ao STF, o que dizer? As decisões da corte são colegiadas. A maioria dos ministros foi escolhida por Lula e Dilma, todos devidamente sabatinados e endossados pelo Senado. Sobre a mídia, as críticas se dividem: ora reclamam dos recortes tendenciosos, ora da cobertura ao vivo, que impede qualquer edição.

O que não se entende é a fixação do PT com essa entidade amorfa e onipresente, algo maquiavélica e certamente diabólica, a que chamam "elite". Não há circunstância que não seja resultado das velhacarias da elite, que vive por conta de assombrar os meninos bonzinhos do governo popular.

Se os banqueiros encheram as burras nos governos do PT, pouco importa: dessa elite eles gostam muito. Que romarias de empresários façam fila na porta do Instituto Lula ou que o ex-presidente tenha virado agente internacional dos capitalistas brasileiros, sem problemas. Essas são as elites boazinhas. As malvadas são as que não gostam do PT.

Leia a íntegra no blog:

Ministra do TSE reconduz Julio Lossio à Prefeitura de Petrolina

A ministra Laurita Vaz, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), acatou, há pouco, o agravo regimental impetrado pelo prefeito cassado de Petrolina, Julio Lossio (PMDB), e, com isso, assegura a recondução do peemedebista ao cargo até que o pleno da Suprema Corte Eleitoral do país julgue o processo de cassação de diploma movido pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB).Com a decisão desta sexta-feira (22), o segundo colocado na disputa pela Prefeitura de Petrolina na eleição do ano passado, o deputado federal Fernando Filho (PSB), fica impedido de ser empossado na próxima quarta-feira (27), como havia sido agendado previamente após a decisão monocrática da mesma ministra, divulgada na última quarta-feira (20).

Tentou enganar a justiça,agora quer enganar a medicina….

Instituto de Cardiologia descarta infarto de José Genoino

Boletim médico divulgado pelo Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (IC-DF), no início da tarde desta sexta-feira (22), descartou um enfarto do miocárdio do deputado licenciado José Genoino (PT-SP). O ex-presidente do Partido dos Trabalhadores deu entrada no instituto na tarde da última quinta-feira (21), quando foi submetido a uma série de exames.De acordo com o boletim, foram diagnosticados “níveis pressóricos (pressão arterial)” no paciente que poderiam comprometer o resultado da cirurgia de correção e de dissecção da artéria aorta e “alteração de coagulação secundário ao uso de anticoagulante, o que aumenta o risco de sangramentos.Segundo os médicos do instituto, Genoino tem um histórico clínico de hipertensão arterial sistêmica. “O paciente foi reavaliado pela manhã, encontra-se estável e deverá permanecer internado até o controle adequado da pressão arterial e dos parâmetros de coagulação”, informaram os médicos no boletim.

Sem medo de processo, Vado volta a atacar Cabral

Vado da FarmáciaEm entrevista à Rádio Ponte FM, nesta quinta-feira (21), o prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Vado da Farmácia (PSB) voltou a afirmar que o seu antecessor Lula Cabral (PSB) deixou os caixas da prefeitura zerados e pelo menos R$ 12 milhões de resto a pagar. Vado também assegurou que em momento algum teria dito que o ex-prefeito roubou ou utilizou dinheiro público para outra finalidade.“Eu nunca falei que o ex-prefeito roubou ou usou do dinheiro público. Eu nunca falei em canto nenhum. Falei dos déficits de resto a pagar que ele realmente deixou. Esses R$ 97 milhões que eu falei anteriormente eu não disse que ele desviou, roubou. Falei do déficit de restos a pagar”, disse.Sem medo, Vado classificou a atitude do seu ex-aliado como crime. “Deixar restos a pagar e não deixar dinheiro em caixa é crime. E foi isso que aconteceu. Assumir esses compromissos com os cofres vazios. Aí tive que pegar da receita do meu exercício, a partir de 2013, e pagar restos a pagar que eram pra ter sido pagos na gestão anterior”, complementou o atual gestor.Na última quarta-feira (20), Lula Cabral, em entrevista à Rádio Folha 96,7 FM, respondeu que não deixará barato tal afirmação do seu ex-padrinho político. “Se ele continuar a falar besteira, eu o processo. O prefeito não entendeu que esses valores são referentes a restos a pagar, como todo prefeito que termina uma gestão deixa”, argumentou o atual presidente da Junta Comercial de Pernambuco (Jucepe).Apesar de todo o imbróglio que vive com o seu sucessor, Lula Cabral garante que não está arrependido de ter indicado Vado como o seu candidato à sucessão. “Fizemos o que era necessário para vencer a eleição. Não deixamos que outras pessoas sem comprometimento assumissem o município”, ironizou o socialista.logo_folha_homesecao

PT e suas privatizações,nunca antes na história…

Agência Brasil (São Paulo)

 AEROPORTOA Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) promove, amanhã (22), o leilão para a concessão dos direitos de ampliação, manutenção e exploração dos aeroportos internacionais Antônio Carlos Jobim/Galeão, no Rio de Janeiro, e Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte. A sessão pública será na sede da BMF&Bovespa, em São Paulo.

Juntos, os dois aeroportos movimentam 14% do total de passageiros do país, 10% da carga e 12% das aeronaves do tráfego aéreo brasileiro.Tanto o Galeão quanto o aeroporto de Confins terão fiscalização e gerenciamento da Anac, assim como os aeroportos de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte, concedido em agosto de 2011; o de Guarulhos e o de Viracopos, em São Paulo; além do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, que foram leiloados em fevereiro do ano passado.

Atualmente, o Galeão movimenta, por ano, cerca de 17,5 milhões de passageiros. O prazo de concessão será 25 anos, podendo ser prorrogado uma vez, por mais cinco anos. Segundo a Anac, a expectativa é que 60 milhões de passageiros utilizem o aeroporto em 2038, ano em que acaba a concessão. O lance mínimo é R$ 4,82 bilhões e a estimativa de investimentos é R$ 5,7 bilhões